Biblioteca Virtual

É só clicar no título para ler ou imprimir.

 

  1. 13 Oktobro 1582 - Luiz Ferreira Portella Filho
  2. 14 de Julho na Roça - Raul Pompéia
  3. 1492 - Mary Johnston
  4. 345 - Artur Azevedo
  5. 345 - Artur Azevedo
  6. 6 rocks matutos & 1 romance rasgado. Sambarrancho do bar Jangadeiro - Salomão Rovedo
  7. 7 Canções - Salomão Rovedo
  8. A “Não-me-toques”! - Artur Azevedo
  9. A Abóboda - Alexandre Herculano
  10. A Alegria da Revolução - Ken Knab
  11. A Alma do Lázaro - José de Alencar
  12. A Alma Encantadora das Ruas - João do Rio
  13. A Almanjarra - Artur Azevedo
  14. A Ama-Seca - Artur Azevedo
  15. A Arrábida - Alexandre Herculano
  16. A Arrábida -Vania Ribas Ulbricht
  17. A Bela Madame Vargas - João do Rio
  18. A bico de pena: fantasias, contos e ferfis (coleção revivendo, nº 4) - Coelho Netto
  19. A Brasileira de Prazins - Camilo Castelo Branco
  20. A cachoeira de Paulo Afonso - Antônio Frederico de Castro Alves
  21. A Campanha Abolicionista - José Carlos do Patrocínio
  22. A campanha da Cordilheira: diário do exército, volume 1 - Visconde de Taunay
  23. A capital - José Maria Eça de Queirós
  24. A Capital Federal - Artur Azevedo
  25. A Carne - Júlio Ribeiro
  26. A Carta - Pero Vaz de Caminha

Pero Vaz de Caminha nasceu em 1450, prestou alguns serviços à coroa portuguesa e em 1500 compôs a frota dirigida por Pedro Álvares Cabral. Na qualidade de escrivão desta referida frota, coube a ele redigir uma carta ao rei Dom. Manuel I comunicando-lhe sobre o "achamento" da terra brasileira.

Neste sentido Caminha inicia seu texto, contando-nos como fora sua viagem. A Partida se deu no dia nove de março de 1500, na manhã do dia 14 estavam entre as ilhas Canárias e no dia 22 na altura de Cabo Verde. No dia 23, o autor nos conta sobre o único acidente da empreitada, quando uma nau se perde sem nenhuma justificativa aparente para isso. Com um navio a menos a viagem prossegue...

  1. A Carta de Mestre João Faras - Mestre João Faras
  2. A Carteira - Machado de Assis

DE REPENTE, Honório olhou para o chão e viu uma carteira. Abaixar-se, apanhá-la e guardá-la foi obra de alguns instantes. Ninguém o viu, salvo um homem que estava à porta de uma loja, e que, sem o conhecer, lhe disse rindo:- Olhe, se não dá por ela; perdia-a de uma vez.- É verdade, concordou Honório envergonhado...

  1. A Cartomante - Machado de Assis

A cartomante é a historia de Vilela, Camilo e Rita envolvidos em um triângulo amoroso. A história começa numa Sexta-feira de novembro de 1869 com um dialogo entre Camilo e Rita. Camilo nega-se veementemente a acreditar na cartomante e sempre desaconselha Rita de maneira jocosa. A cartomante está caracterizada neste conto como uma charlatã, destas que falam tudo o que serve para todo mundo...

  1. A Casa Fechada - Roberto Gomes Ribeiro
  2. A Casadinha de Fresco - Artur Azevedo
  3. A Causa Secreta - Machado de Assis
  4. A chave - Machado de Assis
  5. A Chinela Turca - Machado de Assis
  6. A Cidade e as Serras - José Maria Eça de Queirós
  7. A Comédia dos Erros - William Shakespeare
  8. A Condessa Vésper - Aluísio de Azevedo
  9. A Confissão de Lúcio - Mário de Sá-Carneiro
  10. A Conquista - Coelho Neto
  11. A Conselho do Marido - Artur Azevedo
  12. A criança que pensa em fadas - Alberto Caeiro
  13. A Cruz Mutilada - Alexandre Herculano
  14. A Cruz Mutilada - Vania Ribas Ulbricht
  15. A Dama das Camélias - Alexandre Dumas Filho
  16. A Dama do pé-de-cabra - Alexandre Herculano
  17. A Dança dos Ossos - Bernardo Guimarães
  18. A Desejada das Gentes - Machado de Assis
  19. A Desobediência Civil - Henry David Thoreau
  20. A Dívida - Artur Azevedo
  21. A Divina Comédia - Dante Alighieri

Ao fazer com que cada terceto antecipe o som que irá ecoar duas vezes no terceto seguinte, a terza rima dá uma impressão de movimento ao poema. É como se ele iniciasse um processo que não poderia mais parar. Através do desenho abaixo se pode ter uma visão mais clara do efeito dinâmico da poesia: Os três livros que formam a Divina Comédia são divididos em 33 cantos cada, com aproximadamente 40 a 50 tercetos, que terminam com um verso isolado no final. O Inferno possui um canto a mais que serve de introdução a todo o poema...

  1. A divina quimera - Eduardo Guimaraens
  2. A Doença do Fabrício - Artur Azevedo
  3. A Ela - Machado de Assis
  4. A Escrava Isaura - Bernardo Guimarães
  5. A Esfinge sem Segredo - Oscar Wilde
  6. A espantosa realidade das cousas - Alberto Caeiro
  7. A Falência - Júlia Lopes de Almeida
  8. A Filha de Maria Angu - Artur Azevedo
  9. A Filosofia do Mendes - Artur Azevedo
  10. A Gonzalo de Quesada - José Martí
  11. A Harpa do Crente - Alexandre Herculano
  12. A Harpa do Crente - Vania Ribas Ulbricht 
  13. A Herança - Machado de Assis
  14. A idéia do Ezequiel Maia - Machado de Assis
  15. A Igreja do Diabo - Machado de Assis

O conto machadiano A Igreja do Diabo é baseado em um manuscrito beneditino, no qual o Diabo, teve a idéia de montar uma igreja como meio para organizar suas ações na terra, uma vez que as mesmas eram avulsas, desorganizadas e dessa forma combater a escritura Divina. Após ter tido a idéia, o Diabo, vai até o céu, só que não consegue incomodar e ferir o amor próprio do mestre, então retorna a terra para implementar a própria filosofia. Na terra, ele começa a implementar o seu plano e pregar a doutrina nova e extraordinária que tem como promessa o paraíso na terra, através de todos os deleites possíveis que vão contra todas as virtudes possíveis das Escrituras sagradas...

  1. A Ilha da Maré - Manuel Botelho de Oliveira
  2. À Ilha de Maré termo desta cidade de Bahia Silva - Manuel Botelho de Oliveira
  3. A Ilustre Casa de Ramires - José Maria Eça de Queirós
  4. A Inglezinha Barcelos - Machado de Assis
  5. A Intrusa - Júlia Lopes de Almeida
  6. A isca - Júlia Lopes de Almeida
  7. A Jóia - Artur Azevedo
  8. A judia - Manuel Joaquim Pinheiro Chagas
  9. A Lotação do Bonde - França Júnior
  10. A Luneta Mágica - Joaquim Manuel de Macedo
  11. A Luta - Carmen Dolores
  12. A mágoa do Infeliz Cosme - Machado de Assis
  13. A Maldita Parentela - Joaquim José da França Júnior
  14. A Mão e a Luva - Machado de Assis

Incrível a diferença no ritmo e narrativa entre este que é o segundo livro de Machado e "Memórias póstumas...". A Mão e a Luva é perfeitamente sintonizado com o Romantismo entretanto é possível perceber entre a estrutura clássica do romance, as características que farão de Machado nosso verdadeiro bruxo do Cosme Velho! A conversa com o leitor e o sarcasmo mostram-se, ainda que timidamente, como em:

Estevão, vendo-se abandonado e rejeitado começa a se iludir pensando que tudo não passa de um teste do ser amado: "A imaginação de Estêvão desceu por este declívio de floridas conjecturas, e Luís Alves entendeu que era de bom aviso não espantar-lhe os cavalos. Ela foi, foi, foi por ali abaixo, rédea frouxa e riso nos lábios. Boa viagem!" "A careta que fez ao sair ninguém lha pôde ver, e não se perdeu nada." "as aparências de um sacrifício valem mais, muita vez, do que o próprio sacrifício"

A obra tem também um quê de pessimismo, ou ao menos, uma desilusão com o caráter humano. O enredo trata de uma garota determinada e segura de si, de origem humilde e simples que se vê a "fortuna" dar-lhe oportunidade de ascender socialmente e busca manter-se assim após (ou através de) o casamento. É pretendida por três: o sincero e romântico Estevão, que carrega em si todos os estereótipos dos heróis românticos, sendo tratado pelo narrador como apaixonado e sincero, porém patético. O previsível, vazio e medíocre Jorge, muito próximo à menina porém sem brilhantismo. E o astuto e ambicioso Luís Alves (único com nome e sobrenome!), homem sóbrio determinado, com aspirações políticas e sociais fortíssimas. Frente a isso, a união entre a menina Guiomar e Luís Alves, é tão certeira como o ajuste entre a Mão e a Luva!!

  1. A Marcelina - Artur Azevedo
  2. A Margem - José Leon Machado
  3. À Margem da História - Euclides da Cunha
  4. A Marquesa de Santos - Paulo Setúbal
  5. A Megera Domada - William Shakespeare

Trata-se de uma historia clássica e temporal sobre posicionamento feminino e masculino. É impressionante, a habilidade de Shackespeare em retratar a alma feminina e sua paradoxalidade. As mulheres de shackespeare mesmo as mais “sem sal”,são salgadas, meigas, ferozes, azedas, maquiavélicas, manipuladoras, vivas, vivas! A Megera Domada, quem é ela? Como é ela? Porque ela é assim? Sem dúvida um mulher forte, inquieta, furiosa, cheia de vida e indignada com a tolice e a imbecilidade ao seu redor...

  1. A Melhor Amiga - Artur Azevedo
  2. A melhor das noivas - Machado de Assis
  3. A Melhor Vingança - Artur Azevedo
  4. A Mensageira das Violetas - Florbela Espanca
  5. A Metamorfose - Franz Kafka 
  6. A Moça mais Bonita do Rio de Janeiro - Artur Azevedo
  7. A Moreninha - Joaquim Manuel de Macedo
  8. A morgadinha dos canaviais: crônicas da aldeia - Júlio Dinis
  9. A Mortalha de Alzira - Aluísio Azevedo
  10. A Morte do Lidador - Alexandre Herculano
  11. A Mulher de Anacleto - Afonso Henriques de Lima Barreto
  12. A Mulher de Preto - Machado de Assis
  13. A mulher Pálida - Machado de Assis
  14. A 'Não-me-toques' ! -Artur Azevedo
  15. A Normalista - Adolfo Ferreira Caminha
  16. A Nota de Cem Mil-Réis - Artur Azevedo
  17. A Nova Califórnia - Afonso Henriques de Lima Barreto
  18. A Orgia dos Duendes - Bernardo Guimarães
  19. A Origem do Mênstruo - Bernardo Guimarães
  20. A Parasita Azul - Machado de Assis
  21. A Partida - Coelho Neto
  22. A Pata da Gazela - José de Alencar
  23. A Pele do Lobo - Artur Azevedo
  24. A Pianista - Machado de Assis
  25. A Poesia Interminável - João da Cruz e Sousa
  26. A Polêmica - Artur Azevedo
  27. À Porta da Botica - Artur Azevedo
  28. A Princesa de Babilônia - Voltaire
  29. A Princesa dos Cajueiros - Artur Azevedo
  30. A Relíquia - José Maria Eça de Queirós
  31. A Retirada da Laguna - Visconde de Taunay
  32. A Ritinha - Artur Azevedo
  33. A Segunda Vida - Machado de Assis
  34. A Semana - Machado de Assis
  35. A Semana Santa - Alexandre Herculano
  36. A Senhora do Galvão - Machado de Assis
  37. A senzala - Antônio Frederico de Castro Alves
  38. A Sereníssima República - Machado de Assis
  39. A Serpente de Bronze - Humberto de Campos
  40. A Tempestade - Alexandre Herculano
  41. A Tempestade - William Shakespeare
  42. A Tragédia de Hamlet, Príncipe da Dinamarca - William Shakespeare

Hamlet uma obra de William Shakespeare de gênero dramático, marcada por tragédias. Inicialmente o trágico envenenamento do rei Hamlet motiva o retorno de seu filho o príncipe Hamlet a Dinamarca. Hamlet na tentativa de entender os acontecimentos ocorridos em sua ausência sente a necessidade de fingir-se de louco após a revelação de um espectro (figura de seu pai o rei Hamlet) sobre o que de fato acontecera. Hamlet contém vários personagens dentre os quais merecem destaque especial o próprio protagonista Hamlet, homem movido pelo ódio e pela vingança...

  1. A última receita - Machado de Assis
  2. A Vida Eterna - Machado de Assis
  3. A Vitória e a Piedade - Alexandre Herculano
  4. A Viúva do Estanislau - Artur Azevedo
  5. A Viúva Simões - Júlia Lopes de Almeida
  6. A Viúva Sobral - Machado de Assis
  7. A Viuvinha - José de Alencar
  8. A Volta ao Mundo em Oitenta Dias - Júlio Verne
  9. A Voz - Alexandre Herculano
  10. Abel e Helena - Artur Azevedo
  11. Acho tão natural que não se pense - Alberto Caeiro
  12. Acima do dó central - Abdul Cadre
  13. Acordar e despertar: pequenos toques para acordar ao lado da felicidade - Priscila Lima Rovedo
  14. Adão e Eva - Machado de Assis
  15. Advertência - Mário de Alencar
  16. Agora que sinto amor - Alberto Caeiro
  17. Alexandre- Guy de Maupassant
  18. Alfarrábios: o Ermitão da Glória - José de Alencar
  19. Alfarrábios: o Garatuja - José de Alencar
  20. Algunas Poesias - Johann Wolfgang von Goethe
  21. Alma Cabocla - Paulo Setúbal
  22. Alma Inquieta - Olavo Bilac
  23. Alma Vasca - Miguel de Unamuno
  24. Almas Agradecidas - Machado de Assis
  25. Almejos da angelitude –  pensamentos - Valdecir de Oliveira Anselmo
  26. Alves & Cia. - José Maria Eça de Queirós
  27. Amante Liberal - Miguel de Cervantes
  28. Americanas - Machado de Assis
  29. Amor com amor se paga - Joaquim José da França Júnior
  30. Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
  31. Amor de Salvação - Camilo Castelo Branco
  32. Amor e Pátria - Joaquim Manuel de Macedo
  33. Amor é um arder, que se não sente - Abade de Jazente
  34. Amor por Anexins - Artur Azevedo
  35. Andar a Pé - David Henry Thoreau
  36. Anedota do Cabriolet - Machado de Assis
  37. Anedota Pecuniária - Machado de Assis
  38. Angélica e Firmino - Manuel José Araújo Porto-Alegre
  39. Angelitude- Valdecir de Oliveira Anselmo
  40. Anjo! - Casimiro de Abreu
  41. Antes da Missa - Machado de Assis
  42. Antes da Rocha Tapéia - Machado de Assis
  43. Antes que Cases - Machado de Assis
  44. Antigonas - Sofócles
  45. Antologia - Antero de Quental
  46. Antonica da Silva - Joaquim Manuel de Macedo
  47. Antônio e Cleópatra - William Shakespeare

O caso do militar romano Marco Antônio e da rainha egipcía Cleópatra possui toda uma complexa relação com outras raízes, desde a política, até à morte. O casal sonhava com o estabelecimento de um grandioso império no oriente, mas seus planos são interrompidos. Com o pretexto da morte de sua esposa Fúlvia, Marco Antônio – que vivia no Egito com a amante – é chamado de volta a Roma; na verdade por motivos políticos. Lá, se vê obrigado a casar com Otávia, irmã de Otávio Augusto, um dos líderes do Império Romano, que usa esse casamento como estratégia para manter Marco Antônio mais próximo do governo. Ao tomar conhecimento da união, Cleópatra envia a Roma a falsa notícia de que cometera suicídio, e Marco Antônio, apaixonado e desiludido, põe fim à própria vida. A rainha, sabendo disso, encomenda a seus criados a víbora que lhe destilaria o veneno mortal.

  1. Antônio Rodrigues, soldado, viajante e jesuíta português na América do Sul no século XVI - Antônio Rodrigues
  2. Ao Correr da Pena - José de Alencar
  3. Ao Entardecer (contos vários) - Visconde de Taunay
  4. Aos Vinte Anos - Aluísio de Azevedo
  5. Apólogos: contos para criança - Coelho Netto
  6. Arte Poética - Aristóteles
  7. As Academias de Sião - Machado de Assis
  8. As Alegres Senhoras de Windsor - William Shakespeare
  9. As Asas de um Anjo (Comédia) - José de Alencar
  10. As Asas de um Anjo (Peça) - José de Alencar
  11. As Asneiras do Guedes - Artur Azevedo
  12. As Bodas de Luís Duarte - Machado de Assis
  13. As Cartas de Amabed - Voltaire
  14. As Casadas Solteiras - Luís Carlos Martins Pena
  15. As Cerejas - Artur Azevedo
  16. As Doutoras - Joaquim José da França Júnior
  17. Às Escuras - Artur Azevedo
  18. As Farpas (Fevereiro a Maio 1878) - José Maria Eça de Queirós
  19. As Farpas (Janeiro 1878) - José Maria Eça de Queirós
  20. As Farpas (Janeiro a Fevereiro 1873) - José Maria Eça de Queirós
  21. As Farpas (Junho 1883) - José Maria Eça de Queirós
  22. As Farpas (Junho a Julho 1882) - José Maria Eça de Queirós
  23. As Farpas (Março a Abril 1873) - José Maria Eça de Queirós
  24. As Farpas (Novenbro a Dezenbro 1882) - José Maria Eça de Queirós
  25. As Farpas (Outubro a Novembro 1873) - José Maria Eça de Queirós
  26. As Forças Caudinas - Machado de Assis
  27. As Jóias da Coroa - Raul Pompéia
  28. As Maluquices do Imperador - Paulo Setúbal
  29. As Mulheres de Mantilha - Joaquim Manuel de Macedo
  30. As Paradas - Artur Azevedo
  31. As Primaveras - Casimiro de Abreu
  32. As Pupilas do Senhor Reitor - Júlio Dinis
  33. As Religiões no Rio - João do Rio
  34. As viagens - Olavo Bilac
  35. As Vítimas - Algozes - Joaquim Manuel de Macedo
  36. Assombramento - Afonso Arinos
  37. Assunto para um Conto - Artur Azevedo
  38. Astúcias de Marido - Machado de Assis
  39. Astúcias de Namorada - M. Pinheiro Chagas
  40. Aurora sem Dia - Machado de Assis
  41. Auto da Alma - Gil Vicente
  42. Auto da Barca do Inferno - Gil Vicente
  43. Auto da Feira - Gil Vicente
  44. Auto da Festa de São Lourenço - Pe. José de Anchieta
  45. Auto da Índia - Gil Vicente
  46. Auto de Mofina Mendes - Gil Vicente
  47. Auto Representado na Festa de São Lourenço - Pe. José de Anchieta
  48. Aventuras de Diófanes - Teresa Margarida da Silva e Orta
  49. Aventuras de Robinson Crusoe - Daniel Defoe
  50. Ayres e Vergueiro - Machado de Assis
  51. Azul- Ruben Dario
  52. Balas de Estalo - Machado de Assis
  53. Banhos de Mar - Artur Azevedo
  54. Barca- Artur Azevedo
  55. Batata cozida, mingau de cará (Coleção literatura para todos- v.  - Eloí Elisabete Bocheco
  56. Berenice- Edgar Allan Poe
  57. Bodas de Sangre - Federico Garcia Lorca
  58. Bom Crioulo - Adolfo Ferreira Caminha
  59. Bons Dias - Machado de Assis
  60. Brás, Bexiga e Barra Funda - Alcântara Machado
  61. Brincar com fogo - Machado de Assis
  62. Broquéis- João da Cruz e Sousa
  63. Caiu o Ministério - Joaquim José da França Júnior
  64. Camões -Joaquim Nabuco
  65. Campanha Abolicionista - José Carlos do Patrocínio
  66. Canção ao Mar (Mar Eterno) - Eugénio Tavares
  67. Canção do Exílio - Antônio Gonçalves Dias
  68. Cancioneiro - Fernando Pessoa

O Cancioneiro é composto por poemas líricos, rimados e metrificados, de forte influência simbolista. É do Cancioneiro um dos poemas mais célebres de Pessoa, Autopsicografia, em que reflete sobre o fazer poético: "O poeta é um fingidor. Finge tão completamente...

  1. Canções e Elegias - Luís Vaz de Camões
  2. Cândido - Voltaire
  3. Cantiga de Esponsais - Machado de Assis
  4. Cantiga velha - Machado de Assis
  5. Cantigas de Santa María - Alfonso X, el Sabio
  6. Cantigas de Santa Maria – I - Alfonso X, el Sabio
  7. Cantigas de Santa Maria – II - Alfonso X, el Sabio
  8. Cantigas de Santa Maria – III - Alfonso X, el Sabio
  9. Cantigas de Santa Maria – IV - Alfonso X, el Sabio
  10. Canto da Solidão - Bernardo Guimarães
  11. Capítulo dos Chapéus - Machado de Assis
  12. Capítulos de História Colonial - João Capistrano de Abreu
  13. Capítulos de História Colonial (1500-1800) - João Capistrano de Abreu
  14. Caramuru- José de Santa Rita Durão
  15. Caramuru: poema épico do descobrimento da Bahia - José de Santa Rita Durão
  16. Caráter- Ralph Waldo Emerson
  17. Caravela: redescobrimentos. (Coleção literatura para todos- v.4) - Gabriel Bicalho
  18. Carmina- Caio Valério Catulo
  19. Carminum- Horacio
  20. Carne Frita - Gustavo Villas Boas Farias
  21. Carolina - Casimiro de Abreu
  22. Carta da Companhia - Pe. José de Anchieta
  23. Carta de um Defunto Rico - Afonso Henriques de Lima Barreto
  24. Cartas Chilenas - Tomáz Antônio Gonzaga
  25. Cartas D’Amor - José Maria Eça de Queirós
  26. Cartas D’Amor: O Efêmero Feminino - José Maria Eça de Queirós
  27. Cartas de Inglaterra - José Maria Eça de Queirós
  28. Cartas Familiares e Bilhetes de Paris - José Maria Eça de Queirós
  29. Cartas Marruecas - José Cadalso
  30. Casa de Pensão - Aluísio Azevedo
  31. Casa Velha - Machado de Assis
  32. Casa, não casa - Machado de Assis
  33. Casada e viúva - Machado de Assis
  34. Caso da Vara - Machado de Assis
  35. Catálogo da Exposição Comemorativa do IV Centenário - Fundação Biblioteca Nacional
  36. Catálogo da Exposição Cruz e Sousa, 100 anos de morte (1898-1998) - Fundação Biblioteca Nacional
  37. Catálogo de Autores Brasileiros com a Obra em Domínio Público - Fundação Biblioteca Nacional
  38. Catálogo de Publicações da Biblioteca Nacional - Fundação Biblioteca Nacional
  39. Cavação- Artur Azevedo
  40. Certa Entidade em Busca de Outra - Qorpo Santo
  41. Cervantes, Dom Quixote e outras crônicas do nosso tempo - Salomão Rovedo
  42. Céus e terras do Brasil - Visconde de Taunay
  43. Chapéus de palha, panamás, plumas, cartolas - Sylvia Helena Telarolli de Almeida Leite
  44. Charneca em Flor - Florbela Espanca
  45. Chico- Artur Azevedo
  46. Cícero - Plutarco
  47. Cinco Minutos - José de Alencar
  48. Cinco Mulheres - Machado de Assis
  49. Clara dos Anjos - Afonso Henriques de Lima Barreto
  50. Cleópatra- Henry Rider Haggard
  51. Clepsidra- Camilo Pessanha
  52. Cobras em compota (Coleção literatura para todos- v.2) - Índigo
  53. Coisas que Só Eu Sei - Camilo Castelo Branco
  54. Comes e Bebes - Artur Azevedo
  55. Como e Por Que Sou Romancista - José de Alencar
  56. Como e por que sou Romancista - José de Alencar
  57. Como o Diabo as Arma! - Artur Azevedo
  58. Como se Fazia um Deputado - Joaquim José da França Júnior
  59. Como se inventaram os almanaques - Machado de Assis
  60. Confissões de uma Viúva - Machado de Assis
  61. Confissões de uma Viúva Moça - Machado de Assis
  62. Conjugo Vobis - Artur Azevedo
  63. Conto Alexandrino - Machado de Assis
  64. Conto de Escola - Machado de Assis
  65. Conto de Inverno - William Shakespeare
  66. Contos - José Maria Eça de Queirós
  67. Contos Avulsos - Alcântara Machado
  68. Contos de Lima Barreto - Afonso Henriques de Lima Barreto
  69. Contos fantásticos - Theóphilo Braga
  70. Contos Fluminenses - Machado de Assis
  71. Contos Fora da Moda - Artur Azevedo
  72. Contos Gauchescos - João Simões Lopes Neto
  73. Contos para Velhos - Olavo Bilac
  74. Contrastes e Confrontos - Euclides da Cunha
  75. Contrasto- Cielo D’Alcamo
  76. Conversão de um avaro - Machado de Assis
  77. Convívio- Dante Alighieri
  78. Coração, Cabeça e Estômago - Camilo Castelo Branco
  79. Coriolano -William Shakespeare
  80. Correspondência- Emílio de Menezes
  81. Correspondência de Machado de Assis - Machado de Assis
  82. Crisálidas- Machado de Assis
  83. Crisfal- Cristóvão Falcão
  84. Críticas Teatrais - Machado de Assis
  85. Crônica do viver baiano seiscentista: a cidade e seus pícaros – a freira: ralo, roda e grade - Gregório de Matos
  86. Crônica do viver baiano seiscentista: a cidade e seus pícaros – Aandanças de uma viola de cabaça - Gregório de Matos
  87. Crônica do viver baiano seiscentista: a cidade e seus pícaros – Mariana, apelidada a rola - Gregório de Matos
  88. Crônica do viver Baiano Seiscentista: a cidade e seus pícaros – alguns passos discretos e tristes - Gregório de Matos
  89. Crônica do viver Baiano Seiscentista: a cidade e seus pícaros – Betica - Gregório de Matos
  90. Crônica do viver baiano seiscentista: a cidade e seus pícaros – Pança farta e pé dormente - Gregório de Matos
  91. Crônica do viver baiano seiscentista: a cidade e seus pícaros – Custódia - Gregório de Matos
  92. Crônica do viver baiano seiscentista: a cidade e seus pícaros – Letrados - Gregório de Matos
  93. Crônica do viver baiano seiscentista: a cidade e seus pícaros – Antônia - Gregório de Matos
  94. Crônica do viver baiano seiscentista: a cidade e seus pícaros – briga, briga - Gregório de Matos
  95. Crônica do viver baiano seiscentista: a cidade e seus pícaros – Bárbora ou Babu - Gregório de Matos
  96. Crônica do viver baiano seiscentista: a cidade e seus pícaros – Joana - Gregório de Matos
  97. Crônica do viver baiano seiscentista: a cidade e seus pícaros – Cota - Gregório de Matos
  98. Crônica do Viver Baiano Seiscentista: A Nossa Sé da Bahia - Gregório de Matos
  99. Crônica do viver baiano seiscentista: cidade e seus pícaros – Adãos de Massapê - Gregório de Matos
  100. Crônica do viver baiano seiscentista: cidade e seus pícaros – Ângela - Gregório de Matos
  101. Crônica do viver baiano seiscentista: cidade e seus pícaros – Brites - Gregório de Matos
  102. Crônica do viver baiano seiscentista: cidade e seus pícaros – Maria João - Gregório de Matos
  103. Crônica do viver baiano seiscentista: cidade e seus pícaros – opúsculo de Pedro Alz. da Neyva - Gregório de Matos
  104. Crônica do Viver Baiano Seiscentista: O Burgo - Gregório de Matos
  105. Crônica do viver baiano seiscentista: os homens bons – a nossa sé da Bahia - Gregório de Matos
  106. Crônica do viver baiano seiscentista: os homens bons – espada e espadilha - Gregório de Matos
  107. Crônica do Viver Baiano Seiscentista: Os Homens Bons - Gregório de Matos
  108. Crônica do viver baiano seiscentista: os homens bons – juízes do Iguaraçu - Gregório de Matos
  109. Crônica do viver baiano seiscentista: os homens bons – pessoas beneméritas - Gregório de Matos
  110. Crônica do viver baiano seiscentista: os homens bons – pessoas muito principais - Gregório de Matos
  111. Crônica do viver baiano seiscentista: os homens bons – santos unhates - Gregório de Matos
  112. Crônica do viver baiano seiscentista: os homens bons – a musa praguejadora - Gregório de Matos
  113. Crônicas- Afonso Henriques de Lima Barreto
  114. Crônicas de Londres - José Maria Eça de Queirós
  115. Culto Métrico - Cláudio Manuel da Costa (Glauceste Satúrnio)
  116. Cultura e Opulência do Brasil por suas Drogas e Minas - Pe. André João Antonil
  117. Curiosidades e Factos Notaveis do Ceará - J. G. Dias Sobreira
  118. Curta história - Machado de Assis
  119. D. Benedita - Machado de Assis
  120. D. Jucunda - Machado de Assis
  121. D. Mônica - Machado de Assis
  122. D. Paula - Machado de Assis
  123. D. Pedro - Alexandre Herculano
  124. De Cima para Baixo - Artur Azevedo
  125. Decadência de dois grandes homens - Machado de Assis
  126. Demônios- Aluísio Azevedo
  127. Dentro da noite - João do Rio
  128. Denúncia Involuntária - Artur Azevedo
  129. Descrição da Ilha de Itaparica - Frei Manuel de Santa Maria Itaparica
  130. Desencantos- Machado de Assis
  131. Deveres do Homem - Ferdinando Medici
  132. Diálogos- Federico Garcia Lorca
  133. Diálogos das Grandezas do Brasil - Izaak Walton
  134. Diana- Machado de Assis
  135. Diário Íntimo - Afonso Henriques de Lima Barreto
  136. Dias de guerra e de sertão - Visconde de Taunay
  137. Dirceu de Marília - Joaquim Norberto de Souza e Silva
  138. Discurso sobre a História da Literatura do Brasil - Visconde de Araguaia
  139. Discurso Sobre a História da Literatura do Brasil-Manifesto Publicado na Revista Nictheroy em 1836 - Machado de Assis
  140. Dispersão- Mário de Sá-Carneiro
  141. Diva- José de Alencar
  142. Dívida Extinta - Machado de Assis
  143. Divina Comédia - Dante Alighieri
  144. Do Livro do Desassossego - Fernando Pessoa

Bernardo Soares (heterónimo de Fernando Pessoa) é um caminhante de si mesmo, percorre a sua vida assistindo com a inteligência do olhar mas alheio ao sentir emocionado. Em Bernardo Soares, Pessoa revela a sua faceta itinerante pela vida, tão estranho de si como dos outros, desdobrando-se entre determinantes psicossomáticas que o obrigam a continuar a viver o dia-a-dia e a acuidade da sua inteligência especifica e particularmente cerebral, tornando-se um espectador de si e do mundo, como fosse um espelho reflector, simultaneamente, do seu eu para os outros e o mundo. No Livro o Desassossego, Pessoa afirma a sua falsa identidade e abstrai-se dos sentimentos, reconhecendo, paradoxalmente, a sua natureza paroxisticamente romântica. Ele próprio escreve que não quer sentir e amar porque sabe de antemão a decepção que o espera, consciente de não poder possuir mas só assistir, num mundo em que a distância entre o seu eu intrínseco e o seu eu exterior é a mesma da que o separa da realidade envolvente. Através de Bernardo Soares, percebe-se claramente a estranheza de si inerente ao universo de Pessoa.

  1. Dom Casmurro - Machado de Assis

Vivendo no Engenho Novo, um subúrbio da cidade do RJ, quase recluso em sua casa, construída segundo o molde da que fora a de sua infância, na Rua de Matacavalos, Bento de Albuquerque Santiago, com cerca de 54 anos e conhecido pela alcunha de Dom Casmurro por seu gosto pelo isolamento, decide escrever sua vida.

  1. Don Quixote - Miguel de Cervantes
  2. Don Quixote. Vol. 1 - Miguel de Cervantes Saavedra
  3. Don Quixote. Vol. 2 - Miguel de Cervantes Saavedra
  4. Dona Eulália - Artur Azevedo
  5. Dona Guidinha do Poço - Manuel de Oliveira Paiva
  6. Drácula- Bram Stocker
  7. Duas Apostas - Artur Azevedo
  8. Duas Juízas - Machado de Assis
  9. Elefantes e Ursos - Artur Azevedo
  10. Eleonora- Edgar Allan Poe
  11. Elogio da vaidade - Machado de Assis
  12. Em busca dos contos perdidos - Mariza B. T. Mendes
  13. Em Sonhos - Artur Azevedo
  14. Encarnação- José de Alencar
  15. Encher tempo - Machado de Assis
  16. Encontros Reveladores - Artur Azevedo
  17. Eneida- Publius Virgilius Maro
  18. Ensaio Histórico sobre as Letras no Brasil - Francisco Adolfo de Varnhagen
  19. Entre 1892 e 1894 - Machado de Assis
  20. Entre a juntura dos ossos (Coleção literatura para todos- v. 5) - Vera Lúcia de Oliveira
  21. Entre a Missa e o Almoço - Artur Azevedo
  22. Entre duas datas - Machado de Assis
  23. Entre Santos - Machado de Assis
  24. Epaminondas- Artur Azevedo
  25. Epicédio- Cláudio Manuel da Costa (Glauceste Satúrnio)
  26. Ernesto de Tal - Machado de Assis
  27. Esaú e Jacó - Machado de Assis
  28. Espumas Flutuantes - Antônio Frederico de Castro Alves
  29. Este mundo da injustiça globalizada - José Saramago
  30. Estórias de Jenni - Voltaire
  31. Eterna Mágoa - Augusto dos Anjos
  32. Eterno! - Machado de Assis
  33. Eu - Augusto dos Anjos
  34. Eu e Outras Poesias - Augusto dos Anjos
  35. Eu sou a vida- eu não sou a morte - Qorpo Santo
  36. Eugenia de Fanval - Marquês de Sade
  37. Eurico, o Presbítero - Alexandre Herculano
  38. Evolução- Machado de Assis
  39. Ex Cathedra - Machado de Assis
  40. Falenas- Machado de Assis
  41. Faróis- João da Cruz e Sousa
  42. Farsa de Inês Pereira - Gil Vicente
  43. Farsa do Velho da Horta - Gil Vicente
  44. Farsa ou Auto de Inês Pereira - Gil Vicente
  45. Fatalidade- Artur Azevedo
  46. Fausto - Johann Wolfgang von Goethe
  47. Fausto - Johann Wolfgang von Goethe
  48. Feitos de Mem de Sá - Pe. José de Anchieta
  49. Felicidade pelo Casamento - Machado de Assis
  50. Fernando e Fernanda - Machado de Assis
  51. Ficções do interlúdio: para além do outro oceano de Coelho Pacheco - Fernando Pessoa
  52. Filomena Borges - Aluísio Azevedo
  53. Filosofia de um par de botas - Machado de Assis
  54. Flor anônima - Machado de Assis
  55. Flor de Sangue - Valentim Magalhães
  56. Flores da Noite - Lycurgo José Henrique de Paiva
  57. Foi Buscar Lã… - Afonso Henriques de Lima Barreto
  58. Folha rota - Machado de Assis
  59. Folhas Caídas - João Batista da Silva Leitão de Almeida Garret
  60. Folhas Caídas - João Batista da Silva Leitão de Almeida Garret
  61. Francisca - Machado de Assis
  62. Frankenstein - Mary Shelley
  63. Frankenstein- Mary Shelley
  64. Frei Simão - Machado de Assis
  65. Fulano- Machado de Assis
  66. Galeria Póstuma - Machado de Assis
  67. Gato Negro - Edgar Allan Poe
  68. Germinal- Emile Zola
  69. Girândola de amores - Aluísio Azevedo
  70. Goivos e Camélias - Machado de Assis
  71. Grãos de Mostarda - Humberto de Campos
  72. Grito de glória - Eduardo Acevedo Díaz
  73. Guerras do Alecrim e da Manjerona - Antônio José da Silva
  74. Habilidoso - Machado de Assis
  75. Hamlet– William Shakespeare
  76. Helena - Machado de Assis

A história de uma moça que, de uma forma inesperada, sobe na escala social: morre o Conselheiro Vale e, no seu testamento, consta que Helena, moça internada num colégio de Botafogo, é sua filha, cujo segredo o conselheiro o mantivera até a morte. Helena passa a viver com Úrsula, irmã do conselheiro, Estácio, agora meio-irmão, Dr. Camargo, amigo de Vale e médico da família, e Eugênia, filha do Dr. Camargo. Helena em face de seu temperamento expansivo e comunicativo, conquista a afeição de D. Úrsula e de Estácio. Mendonça, amigo de Estácio, apaixona-se pela moça. Helena passa a ser objeto de afeição do próprio irmão, que, no entanto, está noivo de Eugênia. O padre Melchior, guia espiritual da família, suspeita dos freqüentes encontros entre Helena e Salvador. O mistério é esclarecido: Salvador é o pai de Helena, que fora arrebatada pelo conselheiro,- encarregando-se de sua educação. Helena, profundamente chocada com o estado de coisas, mesmo com a possibilidade de poder casar com Estácio, não agüenta a emoção, adoece e morre.

  1. Herói à Força - Artur Azevedo
  2. História comum - Machado de Assis
  3. História da Conjuração Mineira - Joaquim Norberto de Souza e Silva
  4. História da Literatura Brasileira - José Veríssimo Dias de Matos
  5. História da Literatura Brasileira: Fatores da Literatura Brasileira - Sílvio Romero
  6. História da Província de Santa Cruz - Pero de Magalhães Gândavo
  7. História da Província de Santa Cruz, A que Vulgarmente Chamamos Brasil - Pero de Magalhães Gândavo
  8. História de Quinze Dias - Machado de Assis
  9. História de um Dominó - Artur Azevedo
  10. História de um Soneto - Artur Azevedo
  11. História de uma lágrima - Machado de Assis
  12. História do Futuro, Vol. I - Pe. Antônio Vieira
  13. História do Futuro, Vol. II - Pe. Antônio Vieira
  14. História Vulgar - Artur Azevedo
  15. Histórias da Meia-Noite - Machado de Assis
  16. Histórias de Fantasmas - Charles Dickens
  17. Histórias e Sonhos - Afonso Henriques de Lima Barreto
  18. Histórias e Tradições da Província de Minas Gerais - Bernardo Guimarães
  19. Histórias sem Data - Machado de Assis
  20. Hoje Avental, amanhã Luva - Machado de Assis
  21. Hoje Sou Um e Amanhã Outro - Corpo Santo
  22. Iaiá Garcia - Machado de Assis
  23. Idéias do Canário - Machado de Assis
  24. Identidade- Machado de Assis
  25. Ilíada - Homero
  26. Ilíada- Homero
  27. Iluminuras - Arthur Rimbaud
  28. Ingenuidade- Artur Azevedo
  29. Ingleses na Costa - Joaquim José da França Júnior
  30. Inocência- Visconde de Taunay
  31. Inspirações da Tarde - Bernardo Guimarães
  32. Inspirações do claustro - Luís José Junqueira Freire
  33. Iracema- José de Alencar
  34. Ironia e piedade - Olavo Bilac
  35. João Fernandes - Machado de Assis
  36. Jogo do Bicho - Machado de Assis
  37. Juca-Pirama - Antônio Gonçalves Dias
  38. Júlio César - William Shakespeare

Cássio convence seu amigo Brutus a participar de uma conspiração à favor da morte de Júlio César, cujo poder parece estar crescendo demasiadamente em Roma. Após matar César, no entanto, Brutus não consegue convencer as pessoas que sua ação foi justa. Ele e Cássio eventualmente cometem suicídio com a esperança de Roma tornar-se uma causa perdida.

  1. Kamasutra - Mallanâga Vâtsyâyana
  2. Karl Marx - José Martí
  3. Lágrimas de Xerxes - Machado de Assis
  4. Laranja-da-China - Alcântara Machado
  5. Lendas do Sul - João Simões Lopes Neto
  6. Lendas e Narrativas (Tomo I) - Alexandre Herculano
  7. Leonor de Mendonça - Antônio Gonçalves Dias
  8. Letra Vencida - Machado de Assis
  9. Lição de Botânica - Machado de Assis
  10. Linha Reta e Linha Curva - Machado de Assis
  11. Lira dos Vinte Anos - Manuel Antônio Álvares de Azevedo
  12. Livro das Donas e Donzelas - Júlia Lopes de Almeida
  13. Livro de Mágoas - Florbela Espanca
  14. Livro de Sóror Saudade - Florbela Espanca
  15. Livro do Desassossego - Fernando Pessoa
  16. Livro vivo 2000 – 2002 - Ricardo de Lima Barreto
  17. Lobos de Mar - Vicente Blasco Ibáñez
  18. Lógica- D. Andres Piquer
  19. Longe dos Olhos - Machado de Assis
  20. Lucíola - José de Alencar
  21. Luís Soares - Machado de Assis
  22. Luxo e Vaidade - Joaquim Manuel de Macedo
  23. Luzia-Homem - Domingos Olímpio Braga Cavalcanti
  24. Macário- Alvarez Azevedo
  25. Macbeth - William Shakespeare

Macbeth é um nobre general escocês que, após vencer uma batalha contra rebeldes, encontra-se com uma bruxa que profetiza a hipótese dele se tornar rei. Isso evidencia seu desejo de tocar em uma coroa. Lady Macbeth, com uma ambição transbordante, seduz o marido com o intuito de ambos assassinarem o Rei Duncan, para que ambos assumam o trono. Uma série de crimes e batalhas se seguem. Macbeth passa a viver em um inferno entre conflitos, crimes e uma dose de culpa fundida com valores morais.

  1. Madame Bovary - Gustave Flaubert

  2. Mãe - José de Alencar
  3. Mal por Mal… - Artur Azevedo
  4. Mana Marria - Alcântara Machado
  5. Manel Capineiro - Afonso Henriques de Lima Barreto
  6. Manfredo - George Gordon Byron
  7. Mano - Coelho Neto
  8. Manuscrito de um Sacristão - Machado de Assis
  9. Marcha Fúnebre - Machado de Assis
  10. Marginália - Afonso Henriques de Lima Barreto
  11. Maria Cora - Machado de Assis
  12. Maria Rosa Mística - Pe. Antônio Vieira
  13. Maria Rosa Mística Excelências, Poderes e Maravilha do seu Rosário - Pe. Antônio Vieira
  14. Mariana - Machado de Assis
  15. Marília de Dirceu - Tomáz Antônio Gonzaga
  16. Mateus e Mateusa - Corpo Santo
  17. Mattos, Malta ou Matta? - Aluísio Azevedo
  18. Máximas, Pensamentos e Reflexões - Marquês de Maricá
  19. Medea - Eurípedes
  20. Médico é Remédio - Machado de Assis
  21. Medida Por Medida - William Shakespeare
  22. Meia Hora de Cinismo - Joaquim José da França Júnior
  23. Memorial de Aires - Machado de Assis
  24. Memorial de um Passageiro de Bonde - Amadeu Amaral
  25. Memórias da Rua do Ouvidor - Joaquim Manuel de Macedo
  26. Memórias de um Sargento de Milícias - Manuel Antônio de Almeida
  27. Memórias e Cotidiano do Rio de Janeiro no Tempo do Rei: trechos selecionados das cartas de Luís Joaquim dos Santos Marrocos - Luís Joaquim dos Santos Marrocos
  28. Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis
  29. Menina e Moça - Bernardim Ribeiro
  30. Mensagem - Fernando Pessoa

Na obra Mensagem, a única em língua portuguesa publicada em vida [1934]. Fernando Pessoa expressa forte sentimento nacionalista, através de uma volta ao passado, numa tentativa de reerguimento português. Referindo-se aos períodos da formação de Portugal, das grandes navegações, de D. Sebastião, o autor tenta celebrar a grandeza de seu país. Apesar do cunho saudosista-nacionalista, a obra, elaborada em linguagem arcaica, apresenta acabamento formal perfeito...

  1. Metafísica das Rosas - Machado de Assis
  2. Meus oito anos - Casimiro de Abreu
  3. Micrômegas - Voltaire
  4. Miguel Strogoff - Júlio Verne
  5. Milagre do Natal - Afonso Henriques de Lima Barreto
  6. Miloca - Machado de Assis
  7. Minha formação - Joaquim Nabuco
  8. Minúsculo Métrico - Cláudio Manuel da Costa (Glauceste Satúrnio)
  9. Miss Dollar - Machado de Assis
  10. Missa do Galo - Machado de Assis
  11. Missal- João da Cruz e Sousa
  12. Mitología Universal - Anônimo
  13. Moby Dick - Herman Melville
  14. Mocidade e Morte - Alexandre Herculano
  15. Mocidade morta - Luis Gonzaga Duque Estrada
  16. Momento literário - João do Rio
  17. Morta que Mata - Artur Azevedo
  18. Motta Coqueiro ou Pena de Morte - José do Patrocínio
  19. Muito Barulho Por Nada - William Shakespeare
  20. Muitos anos depois - Machado de Assis
  21. Na Academia Brasileira de Letras - Machado de Assis
  22. Na Arca - Machado de Assis
  23. Na Horta - Artur Azevedo
  24. Não Consultes Médico - Machado de Assis
  25. Não é mel para a boca do asno - Machado de Assis
  26. Nativa - Eduardo Acevedo Díaz
  27. Naufrágios - Alvar Núñez Cabeza de Vaca
  28. Nem uma nem outra - Machado de Assis
  29. No País dos Ianques - Adolfo Ferreira Caminha
  30. Noite de Almirante - Machado de Assis
  31. Noite na Taverna - Manuel Antônio Álvares de Azevedo
  32. Notas Semanais - Machado de Assis
  33. Notre-Dame de Paris - Victor Hugo
  34. Nova Viagem à Lua - Artur Azevedo
  35. Novas relíquias - Machado de Assis
  36. Novela e Conto - Amadeu Amaral
  37. Novos Cantos - Antônio Gonçalves Dias
  38. Numa e a Ninfa - Afonso Henriques de Lima Barreto
  39. O 15 e o 17 - Artur Azevedo
  40. O Abolicionismo - Joaquim Nabuco
  41. O Alcaide de Santarém - Alexandre Herculano
  42. O Alienista - Machado de Assis
  43. O Anel de Polícrates - Machado de Assis
  44. O Anjo Caído - João Batista da Silva Leitão de Almeida Garret
  45. O anjo das donzelas - Machado de Assis
  46. O anjo Rafael - Machado de Assis
  47. O Arco de Sant’ana - João Batista da Silva Leitão de Almeida Garret
  48. O Asa-negra - Artur Azevedo
  49. O astrólogo - Machado de Assis
  50. O Ateneu - Raul Pompéia
  51. O Badejo - Artur Azevedo
  52. O Baile do Judeu - Inglês de Souza
  53. O balanceio de Lauro Maia - Miguel Ângelo de Azevedo (Nirez)
  54. O Banqueiro Anarquista - Fernando Pessoa
  55. O Barão de Pituaçu - Artur Azevedo
  56. O Bispo Negro - Alexandre Herculano
  57. O Bobo - Alexandre Herculano
  58. O Bote de rapé - Machado de Assis
  59. O Brasil Anedótico - Humberto de Campos
  60. O Cabeleira - Franklin Távora
  61. O Caçador de Esmeraldas - Olavo Bilac
  62. O Caçador Doméstico - Afonso Henriques de Lima Barreto
  63. O Califa da Rua do Sabão - Artur Azevedo
  64. O Califa de platina - Machado de Assis
  65. O caminho da Porta - Machado de Assis
  66. O caminho de Damasco - Machado de Assis
  67. O Cancioneiro Português da Vaticana - Teophilo Braga
  68. O capitão Mendonça - Machado de Assis
  69. O Carro 13 - Machado de Assis
  70. O Caso Barreto - Machado de Assis
  71. O Caso da Viúva - Machado de Assis
  72. O Caso do Romualdo - Machado de Assis
  73. O Castelo da Faria - Alexandre Herculano
  74. O Cemitério dos Vivos - Afonso Henriques de Lima Barreto
  75. O Chapéu - Artur Azevedo
  76. O Conde d’Abranhos - José Maria Eça de Queirós
  77. O Cônego ou Metafísica do Estilo - Machado de Assis
  78. O contrato - Machado de Assis
  79. O corpo feminino em debate - Maria Izilda Santos de Matos
  80. O Cortiço - Aluísio Azevedo
  81. O Coruja - Aluísio Azevedo
  82. O Crime do Padre Amaro - José Maria Eça de Queirós
  83. O Defeito de Família - França Júnior
  84. O Defunto - Thomaz Lopes
  85. O Demônio Familiar - José de Alencar
  86. O destinado - Machado de Assis
  87. O Devanear do Céptico - Bernardo Guimarães
  88. O Dialeto Caipira - Amadeu Amaral
  89. O Dicionário - Machado de Assis
  90. O Diplomático - Machado de Assis
  91. O Dote - Artur Azevedo
  92. O Duplo - Coelho Neto
  93. O Elixir da Longa Vida - Honoré de Balzac
  94. O Elixir do Pajé - Bernardo Guimarães
  95. O Elogio da Mentira e outras histórias - Lycio de Faria
  96. O Empréstimo - Machado de Assis
  97. O Enfermeiro - Machado de Assis
  98. O Ermitão de Muquém - Bernardo Guimarães
  99. O Escravocrata - Artur Azevedo
  100. O escrivão Coimbra - Machado de Assis
  101. O Espelho - Machado de Assis
  102. O Espírito - Artur Azevedo
  103. O Esqueleto - Aluísio Azevedo
  104. O Eu profundo e os outros Eus - Fernando Pessoa
  105. O Falso Dom Henrique V - Afonso Henriques de Lima Barreto
  106. O Filho de Gabriela - Afonso Henriques de Lima Barreto
  107. O Galã - Artur Azevedo
  108. O Galo - Artur Azevedo
  109. O Garatuja - José de Alencar
  110. O Garimpeiro - Bernardo Guimarães
  111. O Gaúcho - José de Alencar
  112. O Gramático - Artur Azevedo
  113. O Guarani - José de Alencar

Na primeira metade do século XVII, Portugal ainda dependia politicamente da Espanha, fato que, se por um lado exasperava os sentimentos patrióticos de um frei Antão, por outro lado a ele se acomodavam os conservadoristas e os portugueses de pouco brio.

D. Antônio de Mariz, fidalgo dos mais insignes da nobreza de Portugal, leva adiante no Brasil uma colonização dentro mais rigoroso espírito de obediência à sua pátria. Representa, com sua casa-forte, elevada na Serra dos Órgãos, um baluarte na Colônia, a desafiar o poderio espanhol. Sua casa-forte, às margens do Pequequer, afluente do Paraíba, é abrigo de ilustres portugueses, afinados no mesmo espírito patriótico e colonizador, mas acolhe inicialmente, com ingênua cordialidade, bandos de mercenários, homens sedentos de ouro e prata, como o aventureiro Loredano, ex-padre que assassinara um homem desarmado, a troco do mapa das famosas minas de prata.

Dentro da respeitável casa de D. Antônio de Mariz, Loredano vai pacientemente urdindo seu plano de destruição de toda a família e dos agregados. Em seus planos, contudo, está o rapto da bela Cecília, filha de D. Antônio, mas que é constantemente vigiada por um índio forte e corajoso, Peri, que em recompensa por tê-la salvo certa vez de uma avalancha de pedras, recebeu a mais alta gratidão de D. Antônio e mesmo o afeto espontâneo da moça, que o trata como a um irmão.

A narrativa inicia seus momentos épicos logo após o incidente em que Diogo, filho de D. Antônio, inadvertidamente, mata uma indiazinha aimoré, durante uma caçada. Indignados, os aimorés procuram vingança: surpreendidos por Peri, enquanto espreitavam o banho de Ceci, para logo após assassiná-la, dois aimorés caem transpassados por certeiras flechas; o fato é relatado à tribo aimoré por uma índia que conseguira ver o ocorrido...

  1. O Guardador de Rebanhos - Fernando Pessoa
  2. O Homem - Artur Azevedo
  3. O Homem dos Quarenta Escudos - Voltaire
  4. O Homem que Sabia Javanês - Afonso Henriques de Lima Barreto
  5. O Homem que Sabia Javanês e Outros Contos - Afonso Henriques de Lima Barreto
  6. O Humor e a Ironia em Bernardo de Guimarães - Bernardo Guimarães
  7. O imortal - Machado de Assis
  8. O Ingênuo - Voltaire
  9. O Japão - Aluísio Azevedo
  10. O Judas em Sábado de Aleluia - Luís Carlos Martins Pena
  11. O Juiz de Paz da Roça - Luís Carlos Martins Pena
  12. O Lapso - Machado de Assis
  13. O Lencinho - Artur Azevedo
  14. O Liberato - Artur Azevedo
  15. O Livro D’Ele - Florbela Espanca
  16. O Livro da Lei - Aleister Crowley
  17. O Livro de Cesário Verde - José Joaquim Cesário Verde
  18. O Livro de uma Sogra - Aluísio Azevedo
  19. O Livro D'ele - Florbela Espanca
  20. O Livro Derradeiro - João da Cruz e Sousa
  21. O Lobisomem - Raymundo Magalhães
  22. O machete - Machado de Assis
  23. O Mambembe - Artur Azevedo
  24. O Mandarim - José Maria Eça de Queirós
  25. O Matuto - Franklin Távora
  26. O melhor remédio - Machado de Assis
  27. O Mercador de Veneza - William Shakespeare
  28. O Meu Criado João - Artur Azevedo
  29. O Missionário - Inglês de Souza
  30. O Mistério da Estrada de Sintra - José Maria Eça de Queirós
  31. O Moço Loiro - Joaquim Manuel de Macedo
  32. O Monstro e Outros Contos - Humberto de Campos
  33. O Movimento da Independência - Oliveira Lima
  34. O Mulato - Aluísio Azevedo
  35. O Mundo como Está - Voltaire
  36. O Namorador ou a Noite de São João - Luís Carlos Martins Pena
  37. O Navio Negreiro - Antônio Frederico de Castro Alves
  38. O Noviço - Luís Carlos Martins Pena
  39. O Número da Sepultura - Afonso Henriques de Lima Barreto
  40. O Oráculo - Machado de Assis
  41. O Pai - Machado de Assis
  42. O País das Quimeras - Machado de Assis
  43. O Palhaço - Artur Azevedo
  44. O Parnaso Obsequioso e Obras Poéticas - Cláudio Manuel da Costa (Glauceste Satúrnio)
  45. O Passado, passado - Machado de Assis
  46. O pastor amoroso - Fernando Pessoa
  47. O Paulo - Artur Azevedo
  48. O Pecado - Afonso Henriques de Lima Barreto
  49. O Poeta e a Inquisição - Visconde de Araguaia
  50. O Primo Basílio - José Maria Eça de Queirós
  51. O Primo da Califórnia - Joaquim Manuel de Macedo
  52. O Príncipe de Nassau - Paulo Setúbal
  53. O programa - Machado de Assis
  54. O Protocolo - Machado de Assis
  55. O que é o Casamento? - José de Alencar
  56. O que são as moças - Machado de Assis
  57. O Rei dos Caiporas - Machado de Assis
  58. O Relógio de Ouro - Machado de Assis
  59. O Retrato - Artur Azevedo
  60. O Rio de Janeiro: Verso e Reverso - José de Alencar
  61. O Rio de Janeiro em 1877 - Artur Azevedo
  62. O Romance do Prata - Paulo Setúbal
  63. O Sá - Artur Azevedo
  64. O Sacrifício - Franklin Távora
  65. O sainete - Machado de Assis
  66. O segredo - Antônio Frederico de Castro Alves
  67. O Segredo de Augusta - Machado de Assis
  68. O Segredo do Bonzo - Machado de Assis
  69. O Seminarista - Bernardo Guimarães
  70. O Sertanejo - José de Alencar
  71. O Soldado - Alexandre Herculano
  72. O Soldado Jacob - José Joaquim Medeiros de Albuquerque
  73. O Sonho das Esmeraldas - Paulo Setúbal
  74. O Sonho do Conselheiro - Artur Azevedo
  75. O Subterrâneo do Morro do Castelo - Afonso Henriques de Lima Barreto
  76. O Telefone - Artur Azevedo
  77. O Teles e o Tobias - Machado de Assis
  78. O Tipo Brasileiro - Joaquim José da França Júnior
  79. O Touro Branco - Voltaire
  80. O Touro Negro - Aluísio Azevedo
  81. O Tribofe - Artur Azevedo
  82. O triste fim de Policarpo Quaresma - Afonso Henriques de Lima Barreto
  83. O Turbilhão - Coelho Neto
  84. O Último dia de um poeta - Machado de Assis
  85. O Único Assassinato de Cazuza - Afonso Henriques de Lima Barreto
  86. O Uruguai - José Basílio da Gama
  87. O Vaqueano - Apolinário José Gomes Porto-Alegre
  88. O Velho da Horta - Gil Vicente
  89. O Velho Senado - Machado de Assis
  90. Obras poéticas - Manuel Maria de Barbosa du Bocage
  91. Obras poéticas (nova edição) - Manuel Maria de Barbosa du Bocage
  92. Obras Poéticas de Glauceste Satúrnio - Cláudio Manuel da Costa (Glauceste Satúrnio)
  93. Obras Seletas - Rui Barbosa
  94. Obras Seletas -Rui Barbosa
  95. Ocidentais - Machado de Assis
  96. Odisséia- Homero
  97. Oeuvres- Arthur Rimbaud
  98. Onda- Machado de Assis
  99. Ondas e Outros Poemas Esparsos - Euclides da Cunha
  100. Onze anos depois - Machado de Assis
  101. Orai por ele - Machado de Assis
  102. Os Brilhantes do Brasileiro - Camilo Castelo Branco
  103. Os Bruzundangas - Afonso Henriques de Lima Barreto
  104. Os Ciúmes de um Pedestre ou o Terrível Capitão do Mato - Luís Carlos Martins Pena
  105. Os deuses de casaca - Machado de Assis
  106. Os Dez por Cento - Artur Azevedo
  107. Os Dois Amores - Joaquim Manuel de Macedo
  108. Os Dois Cavalheiros de Verona - William Shakespeare
  109. Os Dois ou o Inglês Maquinista - Luís Carlos Martins Pena
  110. Os Escravos - Antônio Frederico de Castro Alves
  111. Os Estrangeiros - Francisco de Sá de Miranda
  112. Os fidalgos da casa mourisca - Júlio Dinis
  113. Os Irmãos das Almas - Luís Carlos Martins Pena
  114. Os Lobisomens - Manuel José Araújo Porto-Alegre
  115. Os Lusíadas - Luís Vaz de Camões
  116. Os Maias - José Maria Eça de Queirós
  117. Os Noivos - Artur Azevedo
  118. Os Óculos de Pedro Antão - Machado de Assis
  119. Os Ouvidos do Conde de Chesterfield e o Capelão Goudman - Voltaire
  120. Os Pobres - Raul Brandão
  121. Os Retirantes - José do Patrocínio
  122. Os Romances da Semana - Joaquim Manuel de Macedo
  123. Os Sertões -Euclides da Cunha
  124. Os Sonhos d’Ouro - José de Alencar
  125. Os Timbiras - Antônio Gonçalves Dias
  126. Oscar Wilde Miscellaneous - Oscar Wilde
  127. Otelo- William Shakespeare
  128. Otelo, O Mouro de Veneza - William Shakespeare

O mouro Otelo passa a desconfiar da fidelidade de sua esposa Desdémona quando o cruel Iago o introduz dúvidas a respeito dela. Depois de alguns planos armados por Iago, Otelo assassina sua esposa pensando que ela realmente o traiu. Emília, esposa de Iago, começou a revelar que tudo foi um plano de seu esposo. Iago assassina sua esposa e é capturado. Otelo, desesperado, apunhala-se, caindo sobre o corpo de Desdémona e beijando-a.

  1. Outras Poesias - Augusto dos Anjos
  2. Outras relíquias - Machado de Assis
  3. Paga ou Morre! - Artur Azevedo
  4. Páginas Críticas e Comemorativas - Machado de Assis
  5. Páginas Recolhidas - Machado de Assis
  6. Pai Contra Mãe -Machado de Assis
  7. Pan-americano - Artur Azevedo
  8. Pandora- Henry James
  9. Panóplias - Olavo Bilac
  10. Papéis Avulsos - Machado de Assis
  11. Papéis Velhos - Machado de Assis
  12. Pareceres de Machado de Assis - Machado de Assis
  13. Paulino e Roberto - Artur Azevedo
  14. Paulo- Bruno Seabra
  15. Peru versus Bolívia - Euclides da Cunha
  16. Pílades e Orestes - Machado de Assis
  17. Pobre Cardeal! - Machado de Assis
  18. Pobre Finoca - Machado de Assis
  19. Pobres Liberais! - Artur Azevedo
  20. Poema da Virgem - Pe. José de Anchieta
  21. Poema dos Feitos de Mem de Sá - Pe. José de Anchieta
  22. Poemas- Alphonsus de Guimarães
  23. Poemas- Cláudio Manuel da Costa (Glauceste Satúrnio)
  24. Poemas- Luís Nicolau Fagundes Varela
  25. Poemas - Safo
  26. Poemas da Morte - Emílio de Menezes
  27. Poemas de Álvaro de Campos - Fernando Pessoa
  28. Poemas de Fagundes Varela - Luís Nicolau Fagundes Varela
  29. Poemas de Fernando Pessoa - Fernando Pessoa
  30. Poemas de Raul de Leoni - Raul de Leoni
  31. Poemas de Ricardo Reis - Fernando Pessoa
  32. Poemas de Ricardo Reis - Fernando Pessoa
  33. Poemas em Inglês - Fernando Pessoa
  34. Poemas Escolhidos - Cláudio Manuel da Costa (Glauceste Satúrnio)
  35. Poemas Humorísticos e Irônicos - João da Cruz e Sousa
  36. Poemas Inconjuntos - Fernando Pessoa
  37. Poemas Irônicos, Venenosos e Sarcásticos - Manuel Antônio Álvares de Azevedo
  38. Poemas Malditos - Alvarez Azevedo
  39. Poemas Selecionados - Florbela Espanca
  40. Poemas Traduzidos - Fernando Pessoa
  41. Poesia Litigiosa - Antônio Frederico de Castro Alves
  42. Poesia Satírica e Versos de Circunstância - Emílio de Menezes
  43. Poesias- Antônio Machado
  44. Poesias- Júlio Dinis
  45. Poesias- Manuel Maria de Barbosa du Bocage
  46. Poesias Colegiais - Antônio Frederico de Castro Alves
  47. Poesias Coligidas - Antônio Frederico de Castro Alves
  48. Poesias Completas - Laurindo José da Silva Rabelo
  49. Poesias dispersas - Machado de Assis
  50. Poesias Escolhidas - José Cândido de Lacerda Coutinho
  51. Poesias Inéditas - Fernando Pessoa
  52. Poesias Manuscritas - Cláudio Manuel da Costa (Glauceste Satúrnio)
  53. Poética - Aristóteles
  54. Polêmicas e reflexões - Machado de Assis
  55. Ponto de Vista - Machado de Assis
  56. Possível e Impossível - Machado de Assis
  57. Primas de Sapucaia - Machado de Assis
  58. Primavera Triste - Vicente Blasco Ibáñez
  59. Primeiras Trovas Burlescas - Luiz Gonzaga Pinto da Gama
  60. Primeiro Fausto - Fernando Pessoa
  61. Primeiros Cantos - Antônio Gonçalves Dias
  62. Produções Satíricas e Bocageanas de Bernardo de Guimarães - Bernardo Guimarães
  63. Profissão de Fé - Olavo Bilac
  64. Prólogos Interessantíssimos - Vários Autores
  65. Prosas Bárbaras - José Maria Eça de Queirós
  66. Prosopopéia - Bento Teixeira
  67. Puelina - Artur Azevedo
  68. Qual dos dois - Machado de Assis
  69. Quarta parte em Lisboa na Oficina de Miguel Deslandes, com todas as licenças e privilégio real - Pe. Antônio Vieira
  70. Quarta parte, licenças e privilégio real - Pe. Antônio Vieira
  71. Quase Ela deu o “sim”, mas… - Afonso Henriques de Lima Barreto
  72. Quase ministro - Machado de Assis
  73. Quem Boa Cama Faz… - Machado de Assis
  74. Quem Casa, Quer Casa - Luís Carlos Martins Pena
  75. Quem conta em conto… - Machado de Assis
  76. Quem ele era? - Artur Azevedo
  77. Quem não quer ser lobo… - Machado de Assis
  78. Questão de vaidade - Machado de Assis
  79. Quincas Borba - Machado de Assis
  80. Quinhentos Contos - Machado de Assis
  81. Recordações do Escrivão Isaías Caminha - Afonso Henriques de Lima Barreto
  82. Redondilhas - Luís Vaz de Camões
  83. Rei Lear - William Shakespeare

Lear, rei da Bretanha, decide dividir o reino entre suas três filhas, Goneril, Regane e Cordélia. Para calcular a partilha, pede às filhas que demonstrem a gratidão e o amor que sentem pelo pai. Apenas Cordélia contraria as expectativas do rei e é expulsa do reino, por ser desleal. Eventualmente Lear chega a compreender que é Reagan e Goneril que são desleais, mas a herança já havia sido dada. Ele mostra-se como um pobre homem sem coisa alguma, até que Cordélia parte com seu marido, o Rei de França, para recuperar as terras do pai. Reagan e Goneril são derrotadas; Cordélia é enforcada e Lear morre tentando reanimar sua filha.

  1. Relação do Piloto Anônimo - Anônimo
  2. Relíquia - Florbela Espanca
  3. Relíquias da Casa Velha - Machado de Assis
  4. Reminiscências- Visconde de Taunay
  5. Remissão de Pecados - Joaquim Manuel de Macedo
  6. Ressureição- Machado de Assis
  7. Ricardo III - William Shakespeare
  8. Robin Hood - Henry Rider Haggard
  9. Robinson Crusoe - Daniel Defoe
  10. Rogério Duprat: sonoridades múltiplas - Regiane Gaúna
  11. Romance de lobos, comedia barbara - Ramon del Valle-Inclan
  12. Romance de uma Velha - Joaquim Manuel de Macedo
  13. Romancero Gitano - Federico Garcia Lorca
  14. Romeu e Julieta - William Shakespeare

O enredo passa-se em Verona, Itália, por volta do ano 1500 e trata os amores de um casal de jovens Romeu e Julieta, que apesar de serem provenientes de famílias rivais, se apaixonam um pelo outro. Nesta história as lutas de espada, o disfarce,os equívocos, a tragédia, o humor e a linguagem da paixão simbolizam,no seu conjunto, o amor verdadeiro...

  1. Rozaura, a enjeitada - Bernardo Guimarães
  2. Ruy de Leão - Machado de Assis
  3. Sabina- Artur Azevedo
  4. Sales- Machado de Assis
  5. Salome- Oscar Wilde
  6. São Cristóvão - José Maria Eça de Queirós
  7. Sarças de Fogo - Olavo Bilac
  8. Segundos Cantos e Sextilhas de Frei Antão - Antônio Gonçalves Dias
  9. Seleção de Obras Poéticas - Gregório de Matos
  10. Seleção de Obras Poéticas II - Gregório de Matos
  11. Senhora - José de Alencar
  12. Sentimental- Salomão Rovedo
  13. Ser Infeliz - Franz Kafka
  14. Sermão da Dominga XIX depois do Pentecoste (1639) - Pe. Antônio Vieira
  15. Sermão da Glória de Maria, Mãe de Deus - Pe. Antônio Vieira
  16. Sermão da Primeira Dominga do Advento (1650) - Pe. Antônio Vieira
  17. Sermão da Primeira Dominga do Advento (1655) - Pe. Antônio Vieira
  18. Sermão da Primeira Oitava de Páscoa - Pe. Antônio Vieira
  19. Sermão da Primeira Sexta-Feira da Quaresma (1644) - Pe. Antônio Vieira
  20. Sermão da Primeira Sexta-Feira da Quaresma (1651) - Pe. Antônio Vieira
  21. Sermão da Quinta Dominga da Quaresma - Pe. Antônio Vieira
  22. Sermão da Segunda Dominga da Quaresma (1651) - Pe. Antônio Vieira
  23. Sermão da Sexagésima - Pe. Antônio Vieira
  24. Sermão das Cadeias de S. Pedro em Roma pregado na Igreja de S. Pedro - Pe. Antônio Vieira
  25. Sermão de Dia de Ramos (1656) - Pe. Antônio Vieira
  26. Sermão de Nossa Senhora do Ó (1640) - Pe. Antônio Vieira
  27. Sermão de S. Roque - Pe. Antônio Vieira
  28. Sermão de Santa Catarina (1663) - Pe. Antônio Vieira
  29. Sermão de Santa Catarina Virgem e Mártir - Pe. Antônio Vieira
  30. Sermão de Santa Teresa - Pe. Antônio Vieira
  31. Sermão de Santa Teresa e do Santíssimo Sacramento - Pe. Antônio Vieira
  32. Sermão de Santo Antônio - Pe. Antônio Vieira
  33. Sermão de São Pedro - Pe. Antônio Vieira
  34. Sermão de Todos os Santos - Pe. Antônio Vieira
  35. Sermão do Bom Ladrão (1655) - Pe. Antônio Vieira
  36. Sermão do Espírito Santo - Pe. Antônio Vieira
  37. Sermão do Mandato - Pe. Antônio Vieira
  38. Sermão do Mandato (1643) - Pe. Antônio Vieira
  39. Sermão do Quarto Sábado da Quaresma (1640) - Pe. Antônio Vieira
  40. Sermão do Segundo Mandato - Pe. Antônio Vieira
  41. Sermão dos Bons Anos - Pe. Antônio Vieira
  42. Sermão Histórico e Panegírico nos Anos da Rainha D. Maria Francisca de Sabóia - Pe. Antônio Vieira
  43. Sermão I – Maria, Rosa Mística - Pe. Antônio Vieira
  44. Sermão II – Maria Rosa Mística - Pe. Antônio Vieira
  45. Sermão III – Maria Rosa Mística - Pe. Antônio Vieira
  46. Sermão IX – Maria Rosa Mística - Pe. Antônio Vieira
  47. Sermão Nossa Senhora do Rosário com o Santíssimo Sacramento - Pe. Antônio Vieira
  48. Sermão pelo Bom Sucesso das Armas de Portugal contra as da Holanda - Pe. Antônio Vieira
  49. Sermão Segundo do Mandato - Pe. Antônio Vieira
  50. Sermão VI – Maria Rosa Mística - Pe. Antônio Vieira
  51. Sermão VIII – Com o Santíssimo Sacramento Exposto Maria Rosa Mística - Pe. Antônio Vieira
  52. Sermão X – Maria Rosa Mística - Pe. Antônio Vieira
  53. Sermão XI Com o Santíssimo Sacramento Exposto - Pe. Antônio Vieira
  54. Sermão XII (1639) - Pe. Antônio Vieira
  55. Sermão XIII - Pe. Antônio Vieira
  56. Sermão XIV (1633) - Pe. Antônio Vieira
  57. Serões da província - Júlio Dinis
  58. Silva: quadros e livros um artista caipira - Romildo Sant’Anna
  59. Silvestre- Machado de Assis
  60. Símbolos- Emílio de Menezes
  61. Sinais de vida no planeta Minas - Fernando Gabeira
  62. Singular Ocorrência - Machado de Assis
  63. Singularidades de uma Rapariga Loura - José Maria Eça de Queirós
  64. Singularidades de uma Rapariga Loura - José Maria Eça de Queirós
  65. - Machado de Assis
  66. Soneto anal - Manuel Maria de Barbosa du Bocage
  67. Soneto da puta novata - Manuel Maria de Barbosa du Bocage
  68. Sonetos - Luís Vaz de Camões
  69. Sonetos e Outros Poemas - Manuel Maria de Barbosa du Bocage
  70. Sonetos Inéditos - Cláudio Manuel da Costa (Glauceste Satúrnio)
  71. Sonho de Uma Noite de Verão - William Shakespeare

A obra de Shakespeare Sonho de Uma Noite de Verão é ambientada na Grécia mítica e conta-nos a história de seres élficos e personagens mitológicos descrevendo a magia e a realidade em uma só dimensão. Teseu, grande herói grego está para se casar com Hipólita, a rainha das amazonas. Nos dias que antecedem esse grande acontecimento em Atenas, Egeu, um pai aflito busca a orientação de Teseu para forçar sua filha Hérmia a casar-se com o jovem escolhido por ele, Demétrio. Hérmia, como está apaixonada por Lisandro, recusa-se a fazer a vontade do pai e por isso é ameaçada pela morte, conforme a lei ateniense que não dá à mulher direito de escolher o marido e pune com a morte a desobediência...

  1. Sova bem Merecida - Artur Azevedo
  2. Suje-Se, Gordo! - Machado de Assis
  3. Suspiros Poéticos e Saudades - Domingos Gonçalves de Magalhães
  4. Tarde- Olavo Bilac
  5. Tentação- Adolfo Ferreira Caminha
  6. Teoria do Medalhão - Machado de Assis
  7. Terpsícore- Machado de Assis
  8. Textos críticos - Machado de Assis
973.Tito Andrônico - William Shakespeare
974.Toc, toc, toc, toc… - Artur Azevedo
975.Trabalhos de Amor Perdidos - William Shakespeare
976.Tratado da Terra do Brasil - Pero de Magalhães Gândavo
  1. Tratado descritivo do Brasil em 1587 - Gabriel Soares de Sousa
  2. Três conseqüências - Machado de Assis
  3. Três Gênios de Secretária - Afonso Henriques de Lima Barreto
  4. Três tesouros perdidos - Machado de Assis
  5. Trina e uma - Machado de Assis
  6. Trio em Lá Menor - Machado de Assis
  7. Triste Fim de Policarpo Quaresma - Afonso Henriques de Lima Barreto
  8. Triunfo da Morte - Francesco Petrarca
  9. Troca de datas - Machado de Assis
  10. Tropas e boiadas - Hugo de Carvalho Ramos
  11. Tu, só tu, puro amor - Machado de Assis
  12. Tubarão com a faca nas costas. (Coleção literatura para todos- v.3) - Cezar Dias
  13. Tudo Bem Quando Termina Bem - William Shakespeare

Helena, nobre jovem protegida pela Condessa de Rossilhão, apaixona-se por Bertram, o filho da Condessa. Filha de um famoso médico, e um médico qualificado no seu próprio direito, Helena cura o Rei de França - que parecia estar morrendo - e ele concede a mão de Bertram como uma recompensa. Bertram, no entanto, ofendido pela desigualdade do casamento, diz que não irá viver com sua esposa até que ela possa apresentar-lhe um filho, um anel - duas tarefas que ele considera impossível. No entanto, Helena cumpre suas funções e Bertram percebe o erro de seu comportamento, ambos se conciliam.

  1. Ubirajara- José de Alencar
  2. Última receita - Machado de Assis
  3. Último Capítulo - Machado de Assis
  4. Últimos Sonetos - João da Cruz e Sousa
  5. Ulysses - James Joyce
  6. Um almoço - Machado de Assis
  7. Um ambicioso - Machado de Assis
  8. Um Apólogo - Machado de Assis
  9. Um Assovio - Qorpo Santo
  10. Um Cacete - Artur Azevedo
  11. Um cão de lata ao rabo - Machado de Assis
  12. Um Capitão de Voluntários - Machado de Assis
  13. Um Credor da Fazenda Nacional - Qorpo Santo
  14. Um Desastre - Artur Azevedo
  15. Um dia de entrudo - Machado de Assis
  16. Um dístico - Machado de Assis
  17. Um Don Juan de Província - Artur Azevedo
  18. Um Erradio - Machado de Assis
  19. Um Especialista - Afonso Henriques de Lima Barreto
  20. Um esqueleto - Machado de Assis
  21. Um Homem Célebre - Machado de Assis
  22. Um homem superior - Machado de Assis
  23. Um incêndio - Machado de Assis
  24. Um Parto - Qorpo Santo
  25. Um quarto de século - Machado de Assis
  26. Um Que Vendeu a Sua Alma - Afonso Henriques de Lima Barreto
  27. Um Sarau no Paço de São Cristóvão - Paulo Setúbal
  28. Um sonho e outro sonho - Machado de Assis
  29. Um Tratado da Cozinha Portuguesa do Século XV - Anônimo
  30. Uma águia sem asas - Machado de Assis
  31. Uma Aposta - Artur Azevedo
  32. Uma Campanha Alegre – Volume I - José Maria Eça de Queirós
  33. Uma Carga de Sono - Artur Azevedo
  34. Uma carta - Machado de Assis
  35. Uma Estação no Inferno - Arthur Rimbaud
  36. Uma excursão milagrosa - Machado de Assis
  37. Uma Lágrima de Mulher - Aluísio Azevedo
  38. Uma loureira - Machado de Assis
  39. Uma noite - Machado de Assis
  40. Uma ode de anacreonte - Machado de Assis
  41. Uma partida - Machado de Assis
  42. Uma por outra - Machado de Assis
  43. Uma Praga Rogada nas Escadarias da Fôrca - Camilo Castelo Branco
  44. Uma Pupila Rica - Joaquim Manuel de Macedo
  45. Uma Senhora - Machado de Assis
  46. Uma Tragédia no Amazonas - Raul Pompéia
  47. Uma Visita de Alcebíades - Machado de Assis
  48. Umas Férias - Machado de Assis
  49. Uns Braços - Machado de Assis
  50. Utopia - Thomas Morus
  51. Valério - Machado de Assis
  52. Várias Histórias - Machado de Assis
  53. Vênus! divina vênus! - Machado de Assis
  54. Verba Testamentária - Machado de Assis
  55. Verso e Reverso - José de Alencar
  56. Viagem à roda de mim mesmo - Machado de Assis
  57. Viagem ao Parnaso - Artur Azevedo
  58. Viagens de Gulliver - Jonathan Swift
  59. Viagens na Minha Terra - João Batista da Silva Leitão de Almeida Garret
  60. Via-Láctea - Olavo Bilac
  61. Vida Urbana - Afonso Henriques de Lima Barreto
  62. Vidas Paralelas – Tomo I - Plutarco
  63. Vidas Paralelas – Tomo I I - Plutarco
  64. Vidas Paralelas – Tomo I I I - Plutarco
  65. Vidas Paralelas – Tomo IV - Plutarco
  66. Vidas Paralelas – Tomo VII - Plutarco
  67. Vidros quebrados - Machado de Assis
  68. Vila Rica - Cláudio Manuel da Costa (Glauceste Satúrnio)
  69. Violeta - Raul Pompéia
  70. Virginius- Machado de Assis
  71. Viver- Machado de Assis
  72. Vovó Andrade - Artur Azevedo
  73. Vozes d’África - Antônio Frederico de Castro Alves
  74. Vozes d'África - Antônio Frederico de Castro Alves
  75. Vulcano e Minerva - José Cândido de Lacerda Coutinho
  76. X e W - Artur Azevedo
  77. Zadig ou o Destino - Voltaire